Para sempre.

Não, o para sempre não existe porém as memórias serão quase eternas enquanto durarem. Acredito que tudo há um fim ou caso não tenha um fim em si, acabará se transformando em um novo início e dando razão para continuar com um novo recomeço.

Um dia me perguntaste se eu não me esquecerei de você, apenas fiquei pensando que haverá um dia que o tempo vai passar e tudo vai depender não apenas de mim para manter as lembranças vivas. Sigo meus passos indefinidos e o que já passou vou me recordar com cada sorriso e olhar sincero sentados em um café qualquer ou entre as árvores de uma quadra ou parque qualquer.

Não é um corte de lembranças porém não sabemos até onde o para sempre irá durar. Existem vários para sempre e alguns deles podem ser de apenas alguns poucos segundos e outros poderão realmente durar uma vida inteira, juntos ou não.

Amanhã. Não o conheço ainda, tudo pode mudar em questão de apenas alguns segundos e a sua história poderá ser contada na sua frente ou na frente de milhares como apenas mais um no mundo ou como o ‘um’ no meio da multidão. Isso define um pouco do nosso para sempre, tudo depende não apenas de mim ou de você, tudo depende do mundo.

Destino. Se há um caminho a ser traçado ou não, não sei. Apenas sigo cada instante intensamente e se você faz parte desses segundos intensos, o nosso destino se cruzou em algum momento e a razão disso nunca saberemos ao certo afinal não está escrito e os pensamentos flutuam como as nuvens e podem simplesmente desaparecer em uma fração de segundos ou então poderão se transformar em algo que nossa imaginação acredite como uma verdade.

O para sempre é tão ligado ao destino e ao amanhã que não podemos acreditar que ele é realmente eterno mas que enquanto o nosso para sempre durar, ainda estaremos juntos até que novas lembranças possam ser criadas e criando novos amanhãs e novos destinos e novas histórias.

olhos fechados.

Recordo praticamente todos os dias do video falando que são necessários milhares de “não” para cada “sim” e eu confio nisto fielmente algumas vezes, por mais teimoso que eu possa ser na maioria das vezes em querer mais o sim do que o não. Isso não é, definitivamente, persistir no erro ou pelo menos o meu campo de distorção da realidade está meio distorcido dele mesmo.

Mudar o que está em volta ou mudar a si mesmo ou mudar tudo de uma só vez? O que seguir primeiro, o coração ou a cabeça ou até mesmo a intuição? Me perco abraçando todos de uma só vez e sabendo que não conseguirei cumprir todas minhas tarefas, estarei ali pensando em alguma nova realidade a cada instante.

Me peguei pensando em como seria o meu proprio futuro. Eu já não acredito mais tanto no amor, tenho duvidas sobre familia e uma das poucas certezas que tenho é do que eu faço pois sigo fielmente a tal da intuição orientada pelo coração e autorizada pela cabeça em querer mudar um pouco do pequeno mundo em que vivo. Pode ser um pouco otimista demias porém eu continuarei seguindo em frente, mesmo que olhos fechados e lagrimejando por dentro, num sentido figurado, com os meus fones de ouvido no volume médio enquanto penso em algo novo.

O que me espera o amanhã? Não sei, quero experimentar.

my path.

I was looking into myself on what I was and what I’m going to. A lot of highs and several downs in my life, every day on each day that I was just me. Today I’m here to ask myself some questions about life, love, what I am now and what I was – or basically, connect the dots.

I never was the highlight on my classrooms, and I never minded of being one because one way or other, I was the nerd of the class because of my thin-black-framed glasses, and the chubby dude seating at the first row. I never was the menace to others.

I love to experiment and try things that I am not sure if they are wrong or right and even almost all those things are wrong, I still trying and I persist in doing this. I remember when I have tried to make a Brazilian high school from the suburbs start thinking about a better life. The principal just loved the idea and allowed me to start producing this that I’ve failed miserably after looking at the results. I didn’t give up, and some months later I was with a new idea of trying to change the people’s mind. Notwithstanding this was another failure, I just learned something that was not to ignore none of my fails because I was growing with them and making me a better person.

I never was good in romance. Truth has to be told: I just had one girlfriend in my whole life and had more other four opportunities that I have passed all of them because of my total ignorance. Usually, I fall in love for some close friends of mine, and I also know the why: I don’t allow myself on looking for other people when I am close to someone. One of my most intense friendships I ever had, I was deadly wrong on what I was doing. Some years later, I realized that abandoning and giving up that friendship was the best thing to do because we have started to mess convenience with passion, feelings with confusion while I was being cheated without realizing it. This time, I gave up.

Today I have another person that is following me while I am slowing walking into my path and I am not anymore that little dumb teenager making mistakes every single day. On all my life stages, I usually have one big mate. I believe that now I’m walking and teaching at the same time the last person that came into my life tree years ago to help this person find her own future path. No passion, I love this person.

Love. This is my dogma. I love that I do. I love people that trust me and I trust back. I love my close friends, and I love my failures and success. Seems that the most boastful, arrogant, and cocky guy in the world is now from villain to good guy. Unfortunately, I will continue exactly like I am but I’m slowly changing my mind every single day. Connecting the dots, I realize that my main problem is loving too much all the things that are around me, and sometimes I don’t know how to deal with them.

People don’t remain forever with us, opinions change and we might be dead by tomorrow. I want to learn fully, love fully, live fully now while connecting those dots and I walk to my path building my own story.

Nova inspiração. 

Ignorado, rejeitado e enfim, um sorriso bobo e um momento aleatório novo. 

Independente de onde estiver, será inspiração — aquela que tanto fazia falta. 

Uma leitura, uma besteira e uma despedida: guardamos momentos até o até breve. 

Nova inspiração, não se vá. Fique. Ainda quero te descobrir e profundamente em seus olhos me fixar. 

Mentes medíocres. 

Passei durante tanto tempo vendo dois lados da moeda em que muitos à minha volta tem: duas idades, duas mentalidades. Do sério, frio e que raciocina tudo antes de agir até o bobo que se apaixona pela borboleta que consegue voar num bater de asas. 

Não sei o que exatamente se passa na cabeça das pessoas à minha volta porém uma única coisa eu tenho de concreto: mudei muito. Considero qualquer ato concreto temporário como apenas algo medíocre enquanto eu tenho plena consciência que o que mais importa neste momento é um conjunto de fatos que levam à uma pequena felicidade que compõe a sua história que ficará para sempre registrada. 

Seria o hoje uma prévia dos assuntos de amanhã? Convicto e certo disso talvez eu não esteja pois continuo cheio de dúvidas e poucas certezas mas minha intuição não me deixa mentir: muita coisa mudou depois do longo silêncio. O que vejo em minha tela não se passa de pura montagem de um mundo perfeito onde tudo na verdade era besteira. 

Prezo hoje pelos momentos de sorrisos sóbrios e sinceros do que pela foto que desaparecerá em 10 segundos e ainda assim acredito que muitos que estão ao meu lado ainda querem suas lembranças apagadas em 24h em momentos sem lucidez. 

Dia 15, Setembro.

Minha, meu. Independente do que eu pense, hoje vou sorrir mais uma vez. Meu rosto inchado do último tapa que me deste e ainda com as marcas de seus dedos ainda me sinto acariciada por tudo isso como se esse calor na verdade fosse seu e não aquele produzido por mim.

Loucura? Loucura seria se eu tivesse colocado fogos em todas as partes perto de sua casa para te acordar mais uma vez de noite assustado com a lembrança de nosso último setembro na beira de um lago segurando aquelas velas especiais que víamos o reflexo na água.

Não fui contida pela lágrima maldita que insistiu em descer da lembrança mais profunda e que eu finalmente me despedi diversas vezes e busquei a felicidade. Meus pés descalços estão novamente caminhando sob as árvores recheadas em flores amarelas gritando com o meu eu interior.

Mandei um beijo para o vento, levitei sobre a grama não mais tão verde e observei os vazios de uma noite iluminada por apenas um poste qualquer na rua perto de meia-noite, meia vida para mim? Sentei-me em um balanço que estava indo e voltando sendo empurrado pelo vento porém comigo em cima nada mais aconteceu. Estava ali novamente e só.

Me sinto feliz, me sinto com um vazio, não me sinto mais. Será que chegou o momento de simplesmente achar que metade de mim se desfez quando acreditei na alegria e que havia me libertado de tudo que havia feito antes? Bobagem.

p.s.: preciso fechar meus olhos da realidade

Dia 14, Setembro.

Para você. Mais uma vez.

Sinto felicidade e sinto ódio de mim e de você ao mesmo tempo há tanto tempo que não sei mais quem sou. Já me perdi na personalidade qualquer em que vivo e que insisto em continuar. Não sinto mais amor: por ninguém, nem por mim, mais.

Observo do alto do prédio os carros passando em câmera lenta como se estivessem com um efeito bokeh em meus olhos, efeitos de miopia que foi criada em mim durante tanto tempo.

Pedi, perdi e ganhei e ignorei tanto tempo junto que nem sei mais o que sou. Eis o fato mais concreto de minha vida. Apenas gostaria de saber se realmente ainda existo mesmo tendo enfrentado de frente a Dona Morte e ter pedido a ela que me levasse diversas vezes inconscientes de mim mesma.

Meu papel quase um papiro evoluiu depois de tantos anos perdida aqui neste porão interior que sempre acreditei ser um meio perdido. Os momentos de alegria não passaram de horas felizes apenas e continuo aqui me lamentando por cada lágrima que ainda não tivera escorrido de meus olhos, aqueles que quase já não existem mais.

Meu sorriso bobo não diz nada e nem o quanto mais você pense que sou inteligente ou ignorante. Apenas me ignore e vá embora de uma só vez pois eu ainda tenho esse passado recente em minha cabeça batendo em mim a cada segundo que continuo respirando ou apenas minha alma me observa calada pensando naquilo que não fez um dia.

p.s.: não sei o que te dizer mais.

A falta da paciência

Vivo em um mundo cercado pela hipocrisia, principalmente nos ambientes que se dizem intelectuais na maior parte do tempo. Sim, estou falando do alguns chamam de academia e outros apenas de Universidade. Por mais que a maioria de nós aprendamos muitas coisas novas, boa parte do tempo somos dominados por tudo aquilo que nunca vamos realmente precisar ou então não é exatamente o que deveria ser na vida real.

Depois que aprendemos esse detalhe de que na vida real não é o que está nos livros, mesmo eles não sendo de ficção, vamos enxergando que o mundo é bem maior e que a gente não se encaixa perfeitamente naquilo que acreditávamos que era o nosso objetivo de vida. Eu sinceramente já me decepcionei demais depois de passar longas horas nos corredores e nas cadeiras ouvindo asneiras e verdades daqueles que se consideram mestres e não querem aprender mais dos outros que estão à sua volta.

Um diploma na mão pode ser uma mão na roda na hora de conseguir se estabilizar em uma profissão porém não diz nada sobre quem você é de verdade e a sua capacidade. Vejo a todo momento pessoas saturadas do que são levadas a elas como a coisa mais importante de suas vidas porém ao chegarem lá no final se deparam que sabem de nada do mundo real que estavam ignorando até então. Será que realmente eu sou ignorante demais ao ponto de não acreditar mais em muitas palavras ditas ou até mesmo naqueles que dizem que você deveria falar “hello, how are you fine thanks and you” em vez de “sup?” ou será que a internet e ver outras realidades me fez ter muito mais informação que eu precisava na cabeça?

Minha vontade é parar tudo e dizer adeus porém a sociedade ainda me impõe que eu tenho que “ser alguém” apesar de saber que já sou parte da diferença no mundo. Pobre sociedade ou pobre de mim?

Chegadas partidas

Um momento de solidão e uma vitrola que toca o violoncelo, violino e violão que inspiram e conspiram contra e a favor de você. Um misto de verdades e segredos guardados dentro da mente de um rapaz jogado no canto escuro da sala.

Chegadas de corações partidos que se passam por sua cabeça depois de longos dias difíceis de lidar. Chegadas que foram partidas daqueles que não voltarão mais um para o outro.

O preço de um “like”

Conectados. Sim, estamos praticamente conectados hoje e não importa se você é criança ou adulto – você está na grande rede dos computadores e bases de dados que sabem tudo sobre a sua vida e a vida… essa tomou outro rumo.

Quantidade ou qualidade? Os dois ao mesmo tempo ou apenas um jeito de tentar se destacar mostrando a desgraça alheia? Um “curtir” pode ser mais pesado do que você imagina. Você realmente é assim na sua vida real em seu dia a dia? Provavelmente está virando. Viciados em cliques e apertos de tela em 140 caracteres por minuto em busca de alguém que vá ler aquilo. Eu não estou nem aí com seus sentimentos, apenas estou atrás do famoso que disse uma atrocidade e terá filhos. Sim, é assim a internet dos tolos.

Compartilhamentos em bilhões por segundo: fotos, textos, imagens. Você já parou para pensar até onde um post seu pode chegar e o alcance daquilo dentre seus amigos? Não. Você não está ajudando o bebê com câncer compartilhando uma imagem mal feita no Word e que nem tiveram coragem de alterar a fonte padrão. Você está mostrando pra um de dez que replicarão aquela mensagem para outros dez. Compartilhado com sabedoria ou apenas porque era bonitinho? A internet suga a sua cabeça para um mundo paralelo que não existe.

A vida está se tornando banal, tão banal quando o seu “estou indo” naquele evento que você colocou para te alertar no dia e que você provavelmente não irá para curtir mas sim para ganhar status na maioria das vezes. Será que vale a pena mesmo ou o seu mundo é tão diferente assim? Você perdeu a sensibilidade de privacidade. Não é porque você é o que dá check-in na noite ou diz que comparecerá naquele lugar que quer dizer alguma coisa. Guarde para você algumas informações e proteja-se. Tudo é registrado e gravado para sempre para traçar seu perfil, seu dia e inclusive para mostrar para os outros, de outros e de um que provavelmente não quer o seu bem.

Estamos rápidos demais, estamos burros demais. Gênios da tecnologia já sabiam o que ela poderia trazer e mesmo assim ignoramos o “continue com fome, continue tolo” sendo simplesmente espertos demais para mostrar demais. Uma selfie de desespero de si mesmo mostrando aquilo que você acha que é, porém esqueceu que existem pessoas do seu lado. Pessoas de verdade.

Não digo pra parar de compartilhar ou dar likes ou ir para festas que você encontrou na web. Apenas é um alerta para refletir até onde um fato ou algo pode chegar se você não tomar cuidado. Não sabemos quem somos de verdade por trás das telas.