Para sempre.

Não, o para sempre não existe porém as memórias serão quase eternas enquanto durarem. Acredito que tudo há um fim ou caso não tenha um fim em si, acabará se transformando em um novo início e dando razão para continuar com um novo recomeço.

Um dia me perguntaste se eu não me esquecerei de você, apenas fiquei pensando que haverá um dia que o tempo vai passar e tudo vai depender não apenas de mim para manter as lembranças vivas. Sigo meus passos indefinidos e o que já passou vou me recordar com cada sorriso e olhar sincero sentados em um café qualquer ou entre as árvores de uma quadra ou parque qualquer.

Não é um corte de lembranças porém não sabemos até onde o para sempre irá durar. Existem vários para sempre e alguns deles podem ser de apenas alguns poucos segundos e outros poderão realmente durar uma vida inteira, juntos ou não.

Amanhã. Não o conheço ainda, tudo pode mudar em questão de apenas alguns segundos e a sua história poderá ser contada na sua frente ou na frente de milhares como apenas mais um no mundo ou como o ‘um’ no meio da multidão. Isso define um pouco do nosso para sempre, tudo depende não apenas de mim ou de você, tudo depende do mundo.

Destino. Se há um caminho a ser traçado ou não, não sei. Apenas sigo cada instante intensamente e se você faz parte desses segundos intensos, o nosso destino se cruzou em algum momento e a razão disso nunca saberemos ao certo afinal não está escrito e os pensamentos flutuam como as nuvens e podem simplesmente desaparecer em uma fração de segundos ou então poderão se transformar em algo que nossa imaginação acredite como uma verdade.

O para sempre é tão ligado ao destino e ao amanhã que não podemos acreditar que ele é realmente eterno mas que enquanto o nosso para sempre durar, ainda estaremos juntos até que novas lembranças possam ser criadas e criando novos amanhãs e novos destinos e novas histórias.

A falta da paciência

Vivo em um mundo cercado pela hipocrisia, principalmente nos ambientes que se dizem intelectuais na maior parte do tempo. Sim, estou falando do alguns chamam de academia e outros apenas de Universidade. Por mais que a maioria de nós aprendamos muitas coisas novas, boa parte do tempo somos dominados por tudo aquilo que nunca vamos realmente precisar ou então não é exatamente o que deveria ser na vida real.

Depois que aprendemos esse detalhe de que na vida real não é o que está nos livros, mesmo eles não sendo de ficção, vamos enxergando que o mundo é bem maior e que a gente não se encaixa perfeitamente naquilo que acreditávamos que era o nosso objetivo de vida. Eu sinceramente já me decepcionei demais depois de passar longas horas nos corredores e nas cadeiras ouvindo asneiras e verdades daqueles que se consideram mestres e não querem aprender mais dos outros que estão à sua volta.

Um diploma na mão pode ser uma mão na roda na hora de conseguir se estabilizar em uma profissão porém não diz nada sobre quem você é de verdade e a sua capacidade. Vejo a todo momento pessoas saturadas do que são levadas a elas como a coisa mais importante de suas vidas porém ao chegarem lá no final se deparam que sabem de nada do mundo real que estavam ignorando até então. Será que realmente eu sou ignorante demais ao ponto de não acreditar mais em muitas palavras ditas ou até mesmo naqueles que dizem que você deveria falar “hello, how are you fine thanks and you” em vez de “sup?” ou será que a internet e ver outras realidades me fez ter muito mais informação que eu precisava na cabeça?

Minha vontade é parar tudo e dizer adeus porém a sociedade ainda me impõe que eu tenho que “ser alguém” apesar de saber que já sou parte da diferença no mundo. Pobre sociedade ou pobre de mim?

O preço de um “like”

Conectados. Sim, estamos praticamente conectados hoje e não importa se você é criança ou adulto – você está na grande rede dos computadores e bases de dados que sabem tudo sobre a sua vida e a vida… essa tomou outro rumo.

Quantidade ou qualidade? Os dois ao mesmo tempo ou apenas um jeito de tentar se destacar mostrando a desgraça alheia? Um “curtir” pode ser mais pesado do que você imagina. Você realmente é assim na sua vida real em seu dia a dia? Provavelmente está virando. Viciados em cliques e apertos de tela em 140 caracteres por minuto em busca de alguém que vá ler aquilo. Eu não estou nem aí com seus sentimentos, apenas estou atrás do famoso que disse uma atrocidade e terá filhos. Sim, é assim a internet dos tolos.

Compartilhamentos em bilhões por segundo: fotos, textos, imagens. Você já parou para pensar até onde um post seu pode chegar e o alcance daquilo dentre seus amigos? Não. Você não está ajudando o bebê com câncer compartilhando uma imagem mal feita no Word e que nem tiveram coragem de alterar a fonte padrão. Você está mostrando pra um de dez que replicarão aquela mensagem para outros dez. Compartilhado com sabedoria ou apenas porque era bonitinho? A internet suga a sua cabeça para um mundo paralelo que não existe.

A vida está se tornando banal, tão banal quando o seu “estou indo” naquele evento que você colocou para te alertar no dia e que você provavelmente não irá para curtir mas sim para ganhar status na maioria das vezes. Será que vale a pena mesmo ou o seu mundo é tão diferente assim? Você perdeu a sensibilidade de privacidade. Não é porque você é o que dá check-in na noite ou diz que comparecerá naquele lugar que quer dizer alguma coisa. Guarde para você algumas informações e proteja-se. Tudo é registrado e gravado para sempre para traçar seu perfil, seu dia e inclusive para mostrar para os outros, de outros e de um que provavelmente não quer o seu bem.

Estamos rápidos demais, estamos burros demais. Gênios da tecnologia já sabiam o que ela poderia trazer e mesmo assim ignoramos o “continue com fome, continue tolo” sendo simplesmente espertos demais para mostrar demais. Uma selfie de desespero de si mesmo mostrando aquilo que você acha que é, porém esqueceu que existem pessoas do seu lado. Pessoas de verdade.

Não digo pra parar de compartilhar ou dar likes ou ir para festas que você encontrou na web. Apenas é um alerta para refletir até onde um fato ou algo pode chegar se você não tomar cuidado. Não sabemos quem somos de verdade por trás das telas.

Mudanças

Todos os dias podemos deparar com algumas mudanças que devemos ter de acordo com o que estiver por vir. Passamos dias e noites pensando no que pode e no que não pode acontecer, pensando naquilo que deixamos de fazer, aquele abraço que não foi dado, aquele beijo que você recusou, aquele convite deixado de lado apenas porque estava com preguiça de levantar da sua cama num sábado de manhã.

Mudanças podem vir para o bem e para o mal, acredito eu. Mudar não é exatamente parar de ser o que você é mas sim acrescentar algo novo que você pode contribuir com o mundo. Eu tive que fazer uma mudança brusca em minha vida de repente de uma hora para a outra: Existem coisas que simplesmente não poderiam continuar, afinal apenas estavam atrapalhando um outro caminho meu que acabou ultrapassando a velocidade que deveria ter de verdade. Obrigado a mudar: Obrigado a ter que crescer de uma outra forma que não tinha sido planejada.

Planejar uma mudança? Apenas acredito que devemos seguir em frente. Já me deparei com o choro de amigos que queriam voltar de onde vieram mas não iriam voltar. Já me deparei com o silêncio de um amor decepcionado. Já vi pessoas mudando de gosto, de estilo e até mesmo de sexo.

Todos mudam. Se eu não fizesse isso também considero que não estaria onde eu cheguei hoje: Arrisquei sim em mudar. Se não der certo, que ao menos me traga aprendizado e se der, que me leve além da minha imaginação que pulsa forte e da minha criatividade louca sem medo de ser feliz.

Nostalgia

Paro e penso por um segundo quem que eu sou: sentado no quarto quase escuro, iluminado apenas por minha vela acesa em cima da escrivaninha junto à minha caneta de pena que tenho realmente pena dela, afinal não está mais sendo utilizada.
Nostalgia pura, um momento de silêncio, um momento que não vou passar em claro porém também não terei mais recordações depois de amanhã e nem sei se haverá o amanhã mesmo: sou um ser sem destino para o que vai vir.
Paro por um instante, escrevo um verso qualquer, tiro a minha pena da aposentadoria por alguns instantes para escrever algo que nem eu mesmo sei ao certo quem irá ler.
Será mesmo nostalgia? Não, apenas um devaneio qualquer.

Love

“Love”, “love”, “love”, e mais “love” nas musicas: na letra, no título, na melodia. Será que isso seria um recado para que eu deixasse meu coração de pedra de lado e me deixasse levar e descobrir onde posso chegar?

Não sei, ainda tenho um medo desse tanto de “love”. Apenas não queria queria que o “love” se transformasse mais uma vez em “sadness”.

Iguais

Por mais diferente que todos nos possamos ser, acabamos sendo diferentes de uma forma ou outra. Não sabemos ao certo o quão diferentes somos: não importa religião, opção sexual ou língua, cor ou qualquer outra coisa que colocamos na cabeça uns dos outros. Uma coisa que me intriga a todo instante é o fato de uma pessoa julgar a outra só pela aparência ou pelo que ela faz: se você é um catador de lixo ou um empresário pra mim tanto faz, continuam sendo iguais, continuam tendo uma vida, continuam tendo seus amores e amores platônicos.
Não é porque sou assim do jeito que sou que deveria me render a ser outra pessoa: sou assim porque sou igual a você porém acho que você não sabia disso ainda.

Confiança

Confiar é algo que não surge do dia para a noite ou da noite para o dia: envolve respeito, admiração, carinho e até amor (no sentido puro da palavra) para confiar em alguém. As vezes a confiança está depositada em pequenos pensamentos que você disse e a outra pessoa guardou no coração mantendo segredo e a admiração que tem por você.

Nada é definitivo, nem a confiança. Mas enquanto eu confiar, minhas promessas serão cumpridas e a felicidade será uma prioridade.

Life

Life isn’t about doing or being anything in particular. It’s simply about just doing and being, period. It’s about taking risks; saying something that is hard to admit, giving your heart with the possibility it could break, taking spontaneous trips, doing things you’ve never done, doing things that scare you, getting on a train with no destination in mind, hopping on a plane with nothing but your hopes and dreams, applying for your dream job, admitting your flaws and then embracing them, then admitting your gifts and embracing those also. It’s about fixing mistakes. It’s about being there for others. It’s about give and take in relationships. It’s about empathy. It’s about being one amongst and alongside many. We do not live a life in isolation.Life isn’t about achieving a destiny or a title or reputation. It’s about BEING. We’re all given a life. We are all surviving, and we should be LIVING. If you’re one who feels they aren’t living, then why not? Are you finding yourself excuses, blaming the economy, media, society and/or your peers? No money? Too young? Too old? Not the right time?

— Sjana Elise

Talvez

Corremos atrás daquilo que queremos e muitas vezes não nos dão valor algum. Assim foram anos e anos e continuarão sendo durante mais anos e anos. Promessas e quebras de promessas, idas e vindas, pessoas e pensamentos e tudo resumido em um simples talvez. Não somos capazes na maioria das vezes de ser tolerantes e isso e continuar vivendo, inclusive há lágrimas no caminho independente se há ou não outra pessoa no meio.

Mistério.

Não consigo te entender e acho que nunca vou e isso me instiga, me domina e me faz querer ficar cada hora mais perto e te descobrir aos poucos.

Não sei se é apenas um segredo de um coração partido ou se é uma pulsação mais vibrante que uma partitura em alegro por uma orquestra completa. Para mim, você ainda é mistério.

Lágrima

Não importa mais ganhar ou perder: tudo vai acabar no mesmo lugar de sempre enquanto um passo não for dado para frente e mesmo se ganhar ou perder significar algo, sempre será algo novo aprendido.

Deixar uma lágrima cair por causa de um erro que a mente insiste em dizer que foi um erro? Não, hoje não. Tudo tem sua hora mas hoje não.